Estudos

Natal x Asherá

Nesse estudo estaremos dando uma pequena introdução sobre Asherá, para obterem mais detalhes deverá adquirir o Livro com o mesmo título acima através do Ministério Brit.

É importante saber que Jezabel (Izével) não é um espírito maligno e sim o nome de uma pessoa que tinha como uma de suas divindades Asherá, essa sim é uma deusa adorada desde a antiguidade por vários povos. Jezabel (Izével) foi uma princesa fenícia casada com rei Acab (Ahav) de Israel, seu pai, Etbáll era rei dos Sidônios. Seu casamento aconteceu para fortalecer a aliança entre Israel e a Fenícia. Veja 1Rs16:31-33. Após seu casamento com Acab (Ahav), continuou a adorar os deuses fenícios, mas não se limitou a isso, fez de tudo para acabar com os adoradores do Eterno, o Deus de Israel. Todos aqueles que se levantavam contra Báll e Asherá eram perseguidos e mortos por Jezabel (Izével), muitos tiveram que se esconder no deserto devido a essa perseguição.Foto de Asherá

Pela história, o profeta Elias encabeçou uma resistência contra essa política religiosa e foi no Monte Carmelo (Carmel) que derrotou todos os profetas de Báll matando-os. É interessante salientar que Elias convocou não só os 450 profetas de Báll como também os 400 de Asherá, mas na ocasião compareceram somente os profetas de Báll. Não sabemos determinar o motivo que os 450 profetas de Asherá não compareceram nessa empreitada e com isso não foram mortos no Monte Carmelo (Carmel).

Por causa desta rainha, várias pessoas usam o nome de “Jezabel (Izável)” como entidade demoníaca que atua na área de sedução, prostituição e rebeldia, o que não é verdade, pois ela permitiu simplesmente que o espírito de Asherá a dominasse. Como já havia mencionado acima, Jezabel (Izável) é o nome de uma pessoa e não de um espírito maligno. Devemos, pois conhecer o nosso inimigo e estudá-lo, medir sua força , como age antes de combatê-lo e seu território de atuação. Jesus (Yeshua) mencionou isso em Lc 14:31. Tooltip Sabemos que o nome é algo muito importante na palavra de Deus, no judaísmo o nome de uma pessoa define a sua identidade, é o seu chamado espiritual, um título que reflete seus traços particulares de caráter e os dons concedidos por Deus.

O nome Asherá aparece pela primeira vez na Bíblia em Dt 16:18-22. Tooltip O nome Asherá foi traduzido erroneamente por Poste-ídolo, deusa Cananéia considerada como “deusa-mãe”, esposa de Báll, o deus da promiscuidade. É interessante o fato da proibição de confeccionar Asherá estar imediatamente após a ordem de seguir apenas a justiça. No Talmud (registro das discussões rabínicas que pertencem à lei, ética, costumes e história do judaísmo) está escrito: "Aquele que empossar um juiz indigno para julgar a coletividade, é como se plantasse uma árvore idólatra em Israel".

Inscrições arqueológicas indicam que o Eterno foi adorado junto a Asherá que chegou a ser considerada também como Sua esposa, ou seja, esposa do divino El. A adoração somente ao Eterno aconteceu somente no pós-exílio do domínio Babilônico e Persa. Asherá, Asera, Poste-ídolo refere-se tanto a essa deusa Cananéia como a um objeto de culto de madeira. A palavra é traduzida por “bosque”. Um dos títulos dela é “Senhora que anda sobre o mar”. Representada também por uma árvore estilizada, esteve, ao longo dos séculos, presente em Israel. As primeiras evidências de Asherá aparecem em textos cuneiformes babilônicos (1830-1531 a.E.C) e nas cartas de El Armana (século XIV a.E.C). Textos ugaríticos de Ras Shamra é chamada de Atirat, consorte de El, principal Deus do panteão cananeu no II milênio a.E.C, sendo mencionada também como Elat, forma feminina de El. Nos textos ugaríticos, Asherá é a mãe dos deuses, simbolizando a deusa do amor, do sexo e da fertilidade.

O culto a deusa Asherá realizava-se, principalmente, em torno de uma árvore natural ou estilizada, ou seja, de um poste sagrado que podia estar ao lado de um altar seu ou de outra divindade, inclusive do próprio Eterno. Porém, seu culto foi realizado, de preferência, debaixo de uma árvore natural, nos chamados “lugares altos”, santuários ao ar vivo no topo de colinas e montanhas. 1Rs13:33.

Podemos notar que no passar dos anos, houve mudança de nomes de vários deuses e Asherá não foi diferente (Astarte, Asterotes, Ostera, etc). No Novo Testamento, Paulo (Sha´ul) enfrentou Asherá em Éfeso, lá eles a tratavam como Diana, a deusa dos Efésios.

Hoje percebemos que Asherá ainda é adorada, várias religiões, colocam Maria (Miryam) lado a lado com Jesus (Yeshua), justificam sua adoração dizendo que “um filho nunca nega o pedido de uma mãe” e com isso realizam seus pedidos a ela. No espiritismo temos Yemanja, que é considerada a “rainha do mar” e Pomba Gira como deusa do sexo.

Muitos estudiosos vinculam a árvore de natal com Asherá, o que sabemos é que realmente essa entidade era muitas vezes adorada como estátua e outra como árvore. Muitos fatores comprovam que o natal é uma festa pagã, a começar pelo motivo que é totalmente errado, o nascimento de Jesus (Yeshua). Sabemos que Jesus (Yeshua) não nasceu no dia 25 de dezembro, então porque colocaram essa data? A celebração do natal foi instituída oficialmente pelo Papa Libério, no ano de 354 d.c.

Ao estudarmos sobre Asherá notamos que a forma como age permanece a mesma, seu principal objetivo é o domínio através das lideranças, age na área da promiscuidade, cria rebeldia agindo contra toda e qualquer autoridade, age na insubmissão principalmente entre as mulheres, apesar de que, esse espírito atinge também homens. Sua luta principal é contra os Profetas e os Tocadores de Shofar (Ball Tekia) e procura de todos os modos acabar com os ministérios que Paulo (Sha´ul) cita em Efésios 4:11 que diz “E ele mesmo deu uns para apóstolos, e outros para profetas, e outros para evangelistas, e outros para pastores e doutores,”. Asherá procura atingir pessoas que se acham superior as outras, se diz profeta ou profetisa do Senhor, normalmente usa essas ditas profecias para se projetar e se beneficiar podendo inclusive usar de bajulação.

Precisamos entender que qualquer espírito maligno só age em nós quando damos brecha para eles entrarem. Para se combater Asherá é necessário que conheçamos a Palavra de Deus para usarmos no momento correto, principalmente quando ela vier nos atacar com suas palavras felinas. O caráter da pessoa que enfrenta Asherá tem que estar de acordo com o caráter de Cristo, ter um relacionamento com o Senhor é muito importante. A humildade é uma característica que perturba Asherá, pois ela nunca reconhece seus erros. Asherá nunca age sozinha, sempre temos o espírito de Baal andando lado a lado com ela.

A adoração é a principal arma que combate Asherá, por causa disso ela procura se infiltrar no meios dos louvores e principalmente atacar todos aqueles que tem esse ministério.

É importante salientar-mos que não insentamos a pessoa de Jezábel, mas precisamos entender que "Porque não temos que lutar contra a carne e o sangue, mas, sim, contra os principados, contra as potestades, contra os príncipes das trevas deste século, contra as hostes espirituais da maldade, nos lugares celestiais." Ef 6:12. Tooltip Ela permitiu ser dominada por Asherá e foi usada inclusive para realizar as obras malígnas dela.

Se você se sente atacado pelo espírito de Asherá, procure louvar ao Eterno, proclamar que Ele é o único Deus, falar de Suas misericórdias e de Sua santidade e se possível toque o Shofar. Mesmo que não sinta vontade no momento em que esteja sendo atacado, ADORE AO SENHOR que ela fugirá.

1Pe 5:6 Tooltip "Humilhai-vos, pois, debaixo da potente mão de Deus, para que a seu tempo vos exalte;"

 

Pr. Antonio Carlos
Líder do Ministério Brit (Aliança) – Uma aliança com Deus!

© Copyright - Todos os Direitos Reservados ao Ministério Brit.
Para cópia dos textos somente com autorização prévia do autor.

 

Adicionar comentário


Código de segurança
Atualizar